Acessos

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

DOIDICE OU ALIENAÇÃO? Seguidores do comunista Flávio Dino pedem mais aumento de ICMS


O blog denunciou que o governador Flávio Dino confiscou bens dos maranhenses para obrigar a pagar impostos e aumentou de 18 a 27% o ICMS de energia elétrica; de 25% para 27% o ICMS da gasolina e os serviços em geral. (Confira ... ).

Numa doidice ou alienação generalizada os recrutas dos comunistas dispararam mensagens de DINOVO, ou seja estão pedindo mais aumento de ICMS e confisco de veículos de falidos cidadãos. Confira a maluquice - LINK...

UMA AULINHA DA PERVERSIDADE COMUNISTA
A lei que Dino pediu para aprovar foia a Lei nº 10.542/2016. O economista Bosco Reis, previu que o aumento do ICMS comprometeria o orçamento de muitas famílias maranhenses. “Aumento de imposto é uma medida que embora aumente a arrecadação, tem impacto negativo sobre a atividade econômica. Imposto reduz a renda disponível do trabalhador que em cenário econômico desfavorável, com desemprego em alta e demanda em baixa, só tende a piorar o quadro econômico”, afirmou.

Ao G1, o economista e professor universitário Julio César Ferreira, calculou o impacto no bolso do consumidor em algumas despesas. Quem gasta hoje R$ 100 com conta de luz com incidência de 18% de ICMS – alíquota da conta de energia elétrica no Maranhão – não será de R$ 118 e sim de R$ 121,24.

No chamado cálculo “por dentro”, os 18% da alíquota do ICMS são calculados sobre o valor de R$ 118 (valor do consumo + valor do imposto), o que resulta em R$ 21,24. 

Isso ocorre quando o valor do ICMS que incide sobre o consumo de água, luz ou telefone integra a sua própria base de cálculo. Quando isto não acontece, temos o chamado “imposto por fora”.

O mesmo aumento vai acontecer na conta de telefone. Se você gastava R$ 100, vai passar a gastar R$ 134,29. Isso sem contar os tributos federais, como o PIS e o Cofins.

No Maranhão, a alíquota do imposto sobre serviços de comunicação passou de 25% para 27%.Com isso, os custos dos serviços de telecomunicações também vão ser repassados pelas operadoras aos assinantes. A nova lei altera ainda as alíquotas do etanol e da gasolina, que sai de 25% para 26%.