domingo, 15 de julho de 2018

DOIS ENGANOS DE UM SUJEITO À INGÊNUA GENTE DO MARANHÃO

1º ENGANO - A propaganda para conquistar incautos eleitores era comovente. No 3º programa de TV da coligação #TodosPeloMaranhão, Flávio Dino explica sua proposta de Água para Todos.
Agora confira dados do SNIS - Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento. O Maranhão é um dos estados com os piores índices no quesito Saneamento Básico. Maranhão ocupa 23ª posição em saneamento básico, diz pesquisa de 2017. Em um ranking das 100 maiores cidades do país, São Luís, a Capital do Estado, ocupa a posição de número 79 e tem somente 4,03% do esgoto produzido é tratado. Baseado nos dados do do SNIS, o G1 constatou que o Maranhão é um dos estados menos assistidos do país em coleta de esgoto e fornecimento de água. Os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) mostram que apenas 12,1%, dos maranhenses têm acesso a esse tipo de serviço em relação a esgoto. O G1 entrou em contato com a Companhia de Saneamento Ambiental, mas o órgão não quis se pronunciar.

2º ENGANO - Promessas de empregos, de "retirar da linha de pobreza extrema as famílias maranhenses". Também prometeu um mandato honesto e uma saúde para reis e rainhas do Maranhão.

Fonte: levantamento da LCA Consultores
Agora veja aí no que deu:

1 - Promessas de empregos e de "retirar da linha de pobreza extrema as famílias maranhenses". Não foi cumprida.

Dados da Revista Valor Econômico de um levantamento da LCA Consultores mostram que em 2016, o Maranhão tinha aproximadamente 1,17 milhão de pessoas vivendo com menos de U$ 1,90 (R$ 7,32) por dia. Em 2017 a quantidade aumentou, passando para 1,18 milhão.

Em São Luís, de 2016 para 2017, a extrema pobreza aumentou 48%, passando de 99,6 mil miseráveis para mais de 147 mil miseráveis.
2 - Promessa de um mandato honesto e uma saúde para reis e rainhas do Maranhão.

Relatório da Polícia Federal – anexado às investigações da Operação Rêmora, 4ª fase da Operação Sermão aos Peixes -, aponta para ininterruptos desvios de recursos federais destinados ao sistema de saúde do Maranhão.
Uma organização criminosa que iniciou no governo Roseana Sarney (PMDB) se expandiu no governo Flávio Dino (PCdoB).