23 de mai de 2014

Psicologia declara guerra à fé cristã e enfrentará o peso dos evangélicos. O Conselho Regional de Psicologia (CRP) do Paraná expulsa evangélica por sua expressão pública de fé.

O Conselho Regional de Psicologia (CRP) do Paraná expulsa evangélica por sua expressão pública de fé.

O Conselho Regional de Psicologia (CRP) do Paraná acusa a psicologa Marisa Lobo de expressar a fé evangélica nas suas posições.

Em Curitiba, um grupo de cristãos saiu às ruas no último sábado em manifestação contra o CRM durante a Marcha para Jesus da cidade. Portando faixas com dizeres como #TodosContraPerseguiçãoReligiosa, os manifestantes protestavam contra a cassação do registro de Marisa Lobo.

As reações se espalharam também pelas redes sociais, onde seguidores da psicóloga no Twitter criticaram a decisão afirmando, entre outras coisas, se tratar de “um crime contra a Constituição Brasileira”. Foram levantados também questionamentos se profissionais de outras confissões religiosas também teriam seu registro cassado por manifestar sua fé publicamente.

Nessa quarta feira o senador evangélico Magno Malta (PR-ES) também saiu em defesa de Marisa Lobo, e se pronunciou no plenário do Senado em favor da psicóloga. Ele teceu uma série de críticas contra o Conselho Regional de Psicologia.

Em sua fala no plenário, o senador afirmou que é um erro jurídico a posição adotada pelo conselho, visto que a entidade se baseia na afirmação de que Marisa Lobo estaria “curando homossexuais”, fato do qual não apresentaram nenhuma prova a não ser a afirmação pública da psicóloga a respeito de sua fé cristã. Ele questionou também se outros conselhos profissionais iriam suspender os registros de qualquer profissional que manifeste publicamente a sua fé, seja ela qual for.

Malta disse ainda que iria conclamar os grupos de advogados cristãos que se reúnem para discutir seu papel na sociedade, para que eles se organizem em uma reação ao caso.

- Eu quero dizer que eu farei uma reação pessoal, eu vou reagir, já vi os meus advogados. Eu vou entrar no judiciário questionando a posição do Conselho Nacional de Psicologia – afirmou também Magno Malta, afirmando que a posição do conselho foi discriminatória.

- Aliás, eu quero orientar ela (Marisa Lobo) pra que oriente o seu advogado pra que entre também com uma ação contra o Conselho de Psicologia do Brasil – ressaltou o senador.