TODO PODER EMANA DO POVO

Acessos

Mostrando postagens com marcador Lobão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lobão. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de abril de 2014

DA TOCA DOS RATOS PARA A TOCA DOS LOBOS.

Tacaram chumbinho na toca dos Sarney. Agora eles planejam esconderem-se na toca dos lobos. A rataiada tá correndo pra lá aos montes.

Se os Sarney são frios e calculistas, os maranhenses ainda não viram nada.

Em 'Honoráveis  Bandidos' (livro de Palmério Dória), Lobão é descrito como um especialista em trabalho sujo.

"Quando precisavam de alguém para fazer um 'trabalho sujo', o superintendente dos Diários e Emissoras Associadas em Brasília, Edilson Cid Varela, gritava:

"Manda pro Lobão!"


"O Lobão é de uma frieza glacial. Vai ser fiel ao Sarney até o velório. Mas, antes da missa do sétimo dia, já toma o poder dos meninos".

Esse mesmo Lobão está sendo acusado de envolvimento nos esquemas de corrupção na Petrobrás, conforme Folha de São Paulo.


O filho segue os passos do pai. Como a política se tornou um bom negócio, Edinho Lobão se especializou:


Sonegação fiscal, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e estelionato, a ficha do candidato da Oligarquia Sarney:



LEIA MAIS....AQUI!

sexta-feira, 22 de março de 2013

MAIS CONFUSÃO SOBRE A REFINARIA PREMIUM: Presidente da Petrobrás disse que refinaria nunca evoluiu, Lobão disse que já foram investidos R$ 1,5 bilhão e Diretor de abastecimento disse que está tudo correndo às mil maravilhas.


No dia 19/03/2013, a Presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster disse:


“Essas refinarias nunca subiram no telhado, nem estão no telhado, mas não posso construir uma refinaria que não deu tudo de si como projeto. As Premium precisam mostrar evolução em sua concepção. Não é pessimismo nem otimismo, é realidade”.

No dia 21/03/2013, O Ministro Lobão disse:

“Já foram investidos R$ 1,5 bilhão. Tudo foi cumprido de acordo com o cronograma estabelecido e apresentado pela Petrobras. Até o momento, três etapas foram executadas. Há dois dias recebemos os transformadores que serão instalados na Refinaria. Portanto, nunca houve e não há motivo nenhum para duvidar que a Refinaria exista e que é prioridade para o Governo Federal”, completou o ministro.

O diretor de Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza também disse:

“Os projetos que estão em execução terão o investimento total de US$ 43,2 bilhões. A terraplanagem da Refinaria Premium I já está concluída e, novos contratos já estão sendo negociados. Todos os compromissos firmados estão sendo gradativamente cumpridos e não há motivos para descartar que o Maranhão não é adequado para abrigar um projeto desta magnitude”, detalhou o diretor.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Envolvimento de autoridades com crimes exige uma intervenção ou uma CPI federal no Maranhão.


O pronunciamento do Secretário de Segurança do Maranhão revelando a existência de uma organização criminosa com pelo menos 10 anos que matou Décio Sá e atuando nos desvios de recursos públicos, assustou a população e faz lembrar o caso do assassinato de Ezir Souza Leite Júnior.

O jornalista Roberto Kenard relacionando os fatos, traz a lume e relembra quem são os protetores ou envolvidos na sujeira:

“Em pronunciamento duro na Assembleia Legislativa na terça-feira, 26, o deputado Raimundo Cutrim (PSD) disse que a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão poderia reabrir os casos que quisessem de quando ele era secretário de Segurança.

Bom, ninguém tem motivos para desconfiar do ex-secretário de Segurança e agora deputado estadual.

Mas há um caso que, se reaberto, poderá dar dor de cabeça a Cutrim. Trata-se do assassinato de Ezir Souza Leite Júnior, 22 anos, casado e pai de dois filhos, sequestrado no dia 13 de janeiro de 1995, em Imperatriz. Até hoje o caso não foi solucionado. As suspeitas, na época, recaiam sobre os irmãos Hassan Yusuf e Jamal.

É um caso escabroso que envolve os dois irmãos com ligações fortes com figurões da política e do Judiciário maranhense.

O assassinato chamou a atenção da imprensa nacional.

Com o assassinato do jornalista Décio Sá, o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Aluísio Mendes, disse que o assassino Jhonatan em depoimento dissera que o deputado Raimundo Cutrim era um dos mandantes.

Alguns blogues disseram, então, que a polícia iria reabrir três casos não solucionados da época em que Cutrim era o secretário de Segurança, entre eles, o caso de Imperatriz. Daí o depoimento do deputado.

O atual secretário de Segurança diz que o caso será reaberto. O ex-secretário diz que não tem nada a temer. Bem, seria bom, então para todos que o caso fosse retomado. Resta saber se o Governo do Maranhão deixará o secretário Aluísio Mendes reabrir o caso. Eu tenho profundas dúvidas.

Vejam como a revista IstoÉ noticiou o caso na época:
O AMIGO LOBO SAI DA SOMBRA
Outdoors espalhados em São Luís (MA), Imperatriz (MA), Anápolis (GO) e Brasília fazem lembrar um crime brutal que muita gente poderosa no Maranhão tenta esquecer – e esconder.

Ezir Souza Leite Júnior, 22 anos, casado e pai de dois filhos, foi sequestrado no dia 13 de janeiro de 1995 por jagunços do armazém Nádia, maior concorrente de sua família nos negócios em Imperatriz.

Quatro dias depois, Ezir Júnior foi enforcado e enterrado numa cova rasa nos fundos de uma chácara.

 Apontados como mandantes do crime, Hassan Yusuf, dono do Nádia e de um império em fazendas e armazéns atacadistas, e seu irmão Jamal continuam tocando os negócios como se nada tivesse acontecido.

Eles estão certos da impunidade. A liberdade dos irmãos empresários é assegurada por amigos importantes no Tribunal de Justiça do Maranhão e também nos principais grupos políticos do Estado.

ISTOÉ teve acesso a oito fitas com o conteúdo de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça e gravadas nos últimos meses. Elas mostram que a morte de Ezir Júnior esconde um crime que pouca gente quer ver solucionado.

Diálogos mostram que o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Raimundo Cutrim, montou uma apuração paralela para impedir que a investigação chegasse em Hassan e respingasse no senador Edison Lobão (PFL-MA), amigo e um dos principais beneficiários de doações de campanha feitas pelo empresário.

Cutrim mandou até investigar os promotores de Imperatriz que cuidam do caso. “Não querem que cheguemos aos verdadeiros culpados”, afirma o promotor Luiz Muniz, ameaçado de morte.

Outros diálogos gravados mostram como Hassan, o rei do atacado no Norte e Nordeste, transporta cargas pelas estradas da região sonegando, subornando e alardeando a proteção de amigos influentes.

O caso, investigado pelas polícias federal, civil e militar, só tem uma pessoa presa até agora: o desempregado Raimundo Alves, o Guina, que cuidava da chácara na ocasião do sequestro e do crime.

Os “peixes grandes”, como são chamados nas fitas os demais envolvidos no assassinato, continuam soltos.

Renascimento – O esquema para acobertar os irmãos Hassan e Jamal só veio à tona porque Benito Miranda Muradás dado como morto “ressuscitou”. Benito, ex-capanga do empresário, foi aconselhado a desaparecer. Um corpo totalmente carbonizado foi reconhecido por Hassan como o do empregado. Benito, preso em Natal (RN), denunciou a trama aos promotores de Imperatriz.

Contou em detalhes como o sequestro de Ezir Júnior foi planejado por seus ex-patrões.

Um carro e duas armas de propriedade dos irmãos foram usados no sequestro. Benito acusou os Hassan e Jamal de serem sócios do ex-deputado estadual José Gerardo, preso e investigado pela CPI do Narcotráfico como cabeça de uma quadrilha de roubo de cargas e assassinatos.

Mas a rede de proteção aos “irmãos sírios”, como são conhecidos, é forte e influente no Estado.

AMIZADES INFLUENTES – Amigo da corte maranhense, Hassan é um dos maiores financiadores de campanhas no Estado.

Segundo o Ministério Público, contribuiu para as eleições de Edison Lobão, de sua mulher, a deputada Nice Lobão (PFL-MA), e da governadora Roseana Sarney.

Ele é amigo de Fernando Sarney, que cuida dos negócios da família do senador José Sarney (PMDB-AP), pai da governadora.

Hassan foi coordenador financeiro da campanha do prefeito de Imperatriz, Ildon Marques (PMDB), indicando até o vice da chapa, o filho do senador Lobão, Luciano.

Numa conversa recente, Hassan resumiu sua relação umbilical com o amigo: “Meu nome está ligado com o do senador. Qualquer besteira que eu fizer, vai sujar o nome dele.”

Hassan também é amigo do secretário de Segurança Pública Raimundo Cutrim.
O secretário, quando soube que Benito havia sido preso e que incriminara o amigo, despachou para Natal um delegado de sua confiança: Paulo Márcio Tavares da Silva. Um relatório reservado assinado por Geraldo Luiz de Albuquerque, chefe da Delegacia de Homicídios de Natal, denunciou a missão do delegado enviado de Cutrim.

“Sempre que o nome de Hassan Yusuf era ventilado”, diz o documento, “o delegado Paulo Tavares demonstrava falta de interesse em explorar o assunto.”

No início de novembro, Benito decidiu seguir o conselho que mais ouvia. Em depoimento a um juiz de Natal, sem a presença de representantes do Ministério Público do Maranhão, mudou a versão e inocentou Hassan.

Dois dias depois, fugiu misteriosamente do presídio de Alcaçuz, em Natal. Na verdade, durante o último mês, Benito foi mantido em cativeiro.

Na madrugada da sexta-feira 8, ele apareceu assassinado com 20 tiros.

No Judiciário maranhense, Cutrim também conta com aliados. As prisões de Hassan e Jamal, pedidas pela juíza Cleonice Nascimento, da 2ª Vara Criminal de Imperatriz, vêm sendo negadas pelo Tribunal de Justiça.

O desembargador José Pires da Fonseca, que concedeu habeas-corpus em favor dos irmãos, é tio de um juiz do Fórum de Imperatriz.

O próprio presidente do Tribunal de Justiça, Jorge Rachid, nomeado para o tribunal pelo então governador Edison Lobão, tentou transferir Benito para Imperatriz à revelia do Ministério Público. Ele conseguiu fugir antes.

“Hassan só está livre por causa das amizades com políticos, como Lobão, e juízes, como o presidente do TJ”, comenta Ezir de Souza Leite, pai de Ezir Júnior.
“Existe uma rede de proteção a Hassan. Lobão é muito influente na Justiça do Maranhão”, afirma o deputado federal Sebastião Madeira (PSDB-MA).

Vazamento – Raimundo Cutrim começou a vazar informações confidenciais sobre o caso e seus envolvidos para o ex-secretário de Segurança Pública no governo Lobão, coronel Guilherme Ventura.

Com muitos negócios em Imperatriz, onde preside o Sindicato Rural, Ventura passou a se empenhar para salvar a pele dos acusados, entre eles Francisco Machado Portela, o Dourado, apontado como agenciador dos sequestradores e braço direito de Hassan. Numa das conversas com Dourado, Ventura revelou seu trunfo.

– Falei com o Lobão e a coisa está resolvida. Inclusive o Hassan estava junto. Não posso falar mais por telefone, mas pode ficar despreocupado.

Depois da prisão do ex-capanga Benito, Cutrim e Ventura passaram a se falar diariamente. Numa conversa, Cutrim admitiu a culpa dos irmãos Yusuf e demonstrou sua preocupação com as investigações.

– O irmão (Jamal) tem (envolvimento). Eu acredito que ele (Hassan) soube depois. A campanha vai ser muito grande em cima do Lobão.

O coronel Ventura concordou:

– O mal já foi feito. O Lobão já foi atingido. A eleição (em Imperatriz) está perdida.

Suborno – Flagrado em animadas conversas ao telefone, algumas delas em árabe, o empresário Hassan fala da liberação de cargas, de suborno a fiscais rodoviários e explica a seus funcionários como se livrar da Receita, sempre com o conhecimento de autoridades maranhenses. Sua maior preocupação é com o posto fiscal em Estreito, na divisa com Tocantins, por onde passam mercadorias para o sul do país.

– Não dá pra passar esse creme dental? – pergunta Hassan, durante num telefonema.

– O que você quiser, chefe.

– Paga alguma coisa para o pessoal passar sem carimbar. Dá para cada um R$ 50, R$ 100…

As conversas misturam negócios ilícitos com as eleições municipais ocorridas em outubro último.

Em outro telefonema, também antes das eleições, Hassan diz que é preciso acionar os amigos para evitar que seus caminhões sejam parados no posto de Estreito.

– Cadê o João Alberto (Souza, senador do PMDB-MA)?

– quis saber Hassan.

– Não consegui falar com ele ainda – responde seu interlocutor.

– Tô estranhando. Como é que eu consigo falar com o Lobão a qualquer hora?

– Com você é diferente.

– Mês que vem tenho certeza que a coisa vai amolecer.

Acho que ela (a governadora Roseana) vai chamar a gente pra uma conversa. Ela vai lançar candidato próprio, do PFL, aqui (Imperatriz) e lá (São Luís). Se lançar, ela vai procurar a gente.

O senador Edison Lobão nega conhecer os negócios ilícitos do amigo e garante que nunca intercedeu em seu favor no caso Ezir Júnior.

“Se o Hassan teve participação no crime, deve ser punido”, recomendou o pefelista.

Cada vez mais próspero, e sem ser incomodado, Hassan continua morando em Imperatriz. Seu irmão Jamal cuida dos negócios da família em Anápolis.

A “turma do sírio”, como é chamado o grupo político que gravita em torno do empresário sob suspeita, continua assegurando seus mandatos, mas não como antes. Nas urnas, a memória de Ezir Júnior já fez diferença.

O prefeito Ildon Marques, mesmo apoiado por Hassan, perdeu a reeleição em Imperatriz. Foi derrotado pelo candidato do PT, Jomar Fernandes”. Finalizou o jornalista Roberto Kenard, citando a revista ISTO É.

No TJMA os acusados estão em boas mãos.


Pelo visto Cutrim vai gastar muita bala contra seus desafetos.

“Iria resolver de homem pra homem! Era na porrada, era na bala, era de qualquer jeito, mas eu mandar? Mandar, submisso? Quem manda é covarde, não tem coragem, rapaz! O Cutrim é macho e não manda ninguém. Não tira satisfação, quem quiser resolva de macho pra macho”.