AQUI É O PORTAL DAS ELEIÇÕES 2020

Acessos

segunda-feira, 20 de abril de 2020

EXCLUSIVO: Veja a decisão do STF conforme previu o blog sobre ação do PT, PSOL, PDT, PC do B, PSB e REDE contra Bolsonaro e a imprensa ficou calada. O novo mandado de segurança apresentado é mais fraco que essa ação ora derrubada

Em 30 de março de 2020  PT, PSOL, PDT, PC do B, PSB e REDE pediram ao STF para enquadrar Bolsonaro nos seguintes crimes:

a) Crime de perigo para a vida ou saúde de outrem (art. 132 do Código Penal);
b) Crime de infração de medida sanitária preventiva – art. 268 do Código Penal;
c) Crime de prevaricação – art. 319 do Código Penal, e
d) Crime de incitação ao crime – art. 286 do Código Penal.
Este blog publicou em vídeo que a acusação era fraca e peça esdruxula. CONFIRA 👉 VÍDEO

O Ministro Marco Aurélio (do STF) procurou com lupa alguma coisa contra Bolsonaro, mas nada achou e teve que dá o seguinte despacho:

A CANALHA IMPRENSA DO BRASIL DEU AMPLA DIVULGAÇÃO À AÇÃO DOS COMUNISTA, MAS AGORA SILENCIAM COM O RESULTADO.

Também não prosperará o Mandado de Segurança avacalhar o governo de Bolsonaro 👉 CONFIRA

NOVO MANDADO DE SEGURANÇA CONTRA BOLSONARO SERÁ INDEFERIDO DE PRONTO, A NÃO SER QUE O STF ATROPELE A PRÓPRIA CONSTITUIÇÃO QUE JUROU VELAR.

O aludido mandado de segurança (MS) contra Bolsonaro é peça sem valor jurídico, pois o Mandado de Seguração é ação para impedir lesão ou ameaça concreta a direito líquido de quem entrou com a ação. No caso, que direito líquido e certo Bolsonaro violou dos dois advogados que impetraram o MS? NENHUM!!

A ação dos dois advogados parece mais com um pedido de impeachment que um MS. O pedido de impeachment tem natureza política processado na Câmara e no Senado (conforme decisão do STF na ADPF 378/DF, relator ROBERTO BARROSO, DJe de 8/3/2016), garantindo o devido processo legal, ampla defesa e contraditório.

Assim, nos termos do artigo 5º, inciso LXIX, da Constituição Federal e do artigo 1º da Lei nº 12.016/2009, o mandado de segurança só é concedido para proteger direito líquido de pessoa física ou jurídica que sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la e tem que ter prova documental para ter o direito.

No caso do esdrúxulo MS encomendado aos dois advogados não estão presentes hipóteses as provas em relação ao que alegam, inexistindo o direito líquido e certo dos impetrantes, que necessitaria de fato certo, ou seja, aquele capaz de ser comprovado de plano, por documentação inequívoca, diferentemente da presente hipótese, cuja caracterização de imprecisão e incerteza recai sobre os fatos alegados.

Portanto, será mais uma ação a ser arquivada. NOTE!
Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é bem vindo
Opine, comente, debata ...