AQUI É O PORTAL DAS ELEIÇÕES 2020

Acessos

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Coronavirus: como o mundo desperdiçou a oportunidade de ter uma vacina pronta para lidar com a pandemia


La doctora María Elena Bottazzi (der) y el doctor Peter Hotez dirigen el laboratorio de la Escuela Nacional de Medicina Tropical del Colegio Baylor de Medicina de Houston.Direitos autorais de imagemFOTOGRAFIA DE ANNA GROVE
Legenda de imagemMaría Elena Bottazzi (der) e Dr. Peter Hotez dirigem o laboratório da Escola Nacional de Medicina Tropical da Baylor College of Medicine, em Houston.

Em 2002, na província chinesa de Guangzhou, um vírus desconhecido causou o surto de uma doença mortal que os cientistas chamaram de SARS .
Mais tarde foi descoberto que o patógeno que causou a doença era um coronavírus que se originou em um animal e passou para os humanos.
Em poucos meses, o coronavírus se espalhou em 29 países, infectando mais de 8.000 pessoas e matando cerca de 800.
Em todo o mundo, havia uma alegação geral de saber quando uma vacina estaria pronta para acabar com o vírus mortal, e dezenas de cientistas na Ásia, Estados Unidos e Europa começaram a trabalhar freneticamente para criar a inoculação.
Vários candidatos surgiram, alguns dos quais estavam prontos para uso em ensaios clínicos.
Mas então a epidemia de SARS foi gerenciada e o estudo das vacinas coronavírus foi abandonado.
Anos mais tarde, em 2012, outro coronavírus letal, o MERS-Cov,foi ressurgindo, causando doenças respiratórias graves, a MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio) que se originou em camelos e transmitida aos humanos.
E muitos cientistas novamente enfatizaram a necessidade de uma vacina contra esses patógenos.
Hoje, quase 20 anos depois, quando um novo coronavírus, SARS-Cov-2, já infectou quase um milhão e meio de pessoas,o mundo se pergunta novamente quando uma vacina estará pronta.
Por que não aprendemos com esses outros coronavírus se é conhecido por causar doenças tão letais em humanos como o Covid-19? E por que as vacinas não continuaram a ser estudadas?

"Nós não estamos interessados"

Uma equipe de cientistas em Houston, Texas, nos Estados Unidos, continuou a investigar, e em 2016 tinha uma vacina pronta contra um coronavírus.
"Tínhamos terminado os testes e passamos pelo aspecto crítico de criar um processo de produção de vacinas em escala piloto", diz à BBC Mundo a dra. , nos Estados Unidos.
"Então fomos ao NIH (Instituto Nacional de Saúde dos EUA) e perguntamos: 'O que fazemos para levar a vacina para a clínica rapidamente?' E eles disseram: 'Olha, agora não estamos mais interessados.'
A vacina era contra o coronavírus que causou a epidemia de SARS de 2002, mas como aquela epidemia que surgiu na China já havia sido controlada, os pesquisadores nunca conseguiram obter financiamento.
Não foi a única vacina que foi suspensa. Dezenas de cientistas em todo o mundo pararam seus estudos devido à falta de interesse e fundos para continuar a pesquisa.
Como Susan Weiss, professora de microbiologia da Universidade da Pensilvânia, disse à BBC quando a epidemia terminou, após 7 e 8 meses, pessoas, governos e empresas farmacêuticas "imediatamente perderam o interesse no estudo dos coronavírus".
"Mas, além disso, o SARS afetou principalmente a Ásia, com casos em Toronto, Canadá, mas não chegou à Europa como este novo coronavírus."
"Então veio o MERS, o segundo coronavírus humano virulento, e que estava quase inteiramente confinado ao Oriente Médio."
"Então os coronavírus e o interesse neles se dissiparam. Até agora. E eu realmente acho que deveríamos ter sido mais bem preparados", diz ela.

Dois avisos

SARS e MERS, dizem especialistas, foram dois "avisos incríveis" sobre os perigos dos coronavírus e, ainda assim, os esforços para investigá-los não foram continuados.
Embora a vacina do Dr. Bottazzi fosse para um coronavírus diferente do que circula atualmente, especialistas concordam que, se essa vacina estivesse pronta, haviam sido feitos progressos muito mais rápidos no desenvolvimento de uma nova inoculação para futuras epidemias.
Jason Schwartz, professor da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale, diz que a preparação para essa pandemia deve ter começado desde o surto de SARS em 2002.
"Se não tivéssemos saído do programa de pesquisa de vacinas SARS, estaríamos prontos para muitos outros fundamentos para trabalhar neste novo vírus que está intimamente relacionado", disse ele à revista The Atlantic.
De fato, o novo coronavírus, chamado Sars-Cov-2, é "primo próximo" do coronavírus que causou sars em 2002.

Investigador trabaja en una réplica del virus para desarrollar una vacuna.Derechos de autor de la imagenGETTY IMAGES
Legenda de imagemSARS e MERS foram dois "avisos incríveis", segundo especialistas.

Ambos os vírus são geneticamente 80% semelhantes, diz o Dr. Bottazzi, e como sua vacina já havia passado pelos processos necessários para aprovação, ela poderia ter se adaptado mais rapidamente ao novo coronavírus.
"Já teríamos tido um exemplo de como esses tipos de vacinas se comportam e, embora os vírus não sejam exatamente os mesmos, eles vêm da mesma classe", explica o pesquisador à BBC Mundo.
"Já teríamos a experiência de ver onde surgem os problemas com a vacina e como resolvê-los. Porque já vimos como a vacina SARS se comportou pré-clinicamente e esperamos que a nova vacina se comporte relativamente igual."
"Já poderíamos ter um perfil de segurança em humanos", acrescenta ele, "e mais confiança de que essas vacinas podem ser usadas nas populações que precisam delas".

"Bom lugar para ficar"

Se todo esse conhecimento tinha sido feito agora, por que então a investigação da vacina contra coronavírus foi interrompida?
Tudo, dizem os especialistas, é resumido aos fundos disponíveis para pesquisa.
"Não estávamos pedindo US$ 100 milhões ou US$ 1 bilhão", diz o co-diretor da Escola Nacional de Medicina Tropical de Houston.
"Estávamos falando de três ou quatro milhões de dólares. Com um milhão e meio poderíamos ter feito um estudo clínico para ter um perfil humano. Mas eles nos pararam assim como estávamos prestes a ter algumas evidências interessantes.

Los miembros del laboratorio de la Escuela Nacional de Medicina Tropical del Colegio Baylor de Medicina de Houston.Derechos de autor de la imagenANNA GROVE PHOTOGRAPHY
Legenda de imagemMembros do laboratório da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College of Medicine em Houston.

Mas o financiamento acabou porque não havia mercado para vacina,como explica Peter Kolchinsky, virologista e diretor da empresa de biotecnologia RA Capital.
"A realidade é que, quando há um mercado, há uma solução", diz ele à BBC.
"Hoje temos centenas de vacinas para coronavírus, mas todas são para animais: suínos, galinhas, vacas, etc.".
São vacinas para prevenir doenças que podem custar milhões de dólares à indústria de aves e pecuária.
E pensava-se que surtos de coronavírus em humanos poderiam ser controlados.
"O problema é que, para qualquer empresa, é uma terrível proposta de negócio desenvolver um produto que, pelas probabilidades, não será usado em décadas ou talvez nunca."
"Esse é o tipo de coisa que os governos precisam investir. Se isso fosse uma prioridade, não tenho dúvidas de que as agências governamentais financiaram o desenvolvimento contínuo de uma vacina para sars", diz Kolchinsky.
"E talvez estaríamos mais preparados para reagir ao Covid-19", acrescenta.

Nova vacina

A realidade agora é que uma vacina coronavírus que causa o Covid-19 é necessária.
E provavelmente este não está pronto por vários meses,talvez entre 12 e 18.

Investigadores en Brasil.Derechos de autor de la imagenGETTY IMAGES
Legenda de imagemA vacina não estará pronta por vários meses.

Talvez até lá a pandemia já esteja sob controle.
Bottazzi e sua equipe estão trabalhando na atualização da vacina Sars 2016 e em uma nova vacina covid-19.
E eles ainda estão tentando encontrar fundos para sua pesquisa.
"Os doadores nos deram dinheiro para mover a vacina de 2016 rapidamente. E os Institutos Nacionais de Saúde nos deram uma pequena doação de US$ 400.000 para iniciar o desenvolvimento da (nova vacina) covid-19. Mas temos que continuar convencendo os doadores a ter dinheiro para acelerá-lo."
Todo o processo, diz o pesquisador, é "muito frustrante".
"Nós, nos laboratórios, queremos desenvolver essas vacinas, mas não há apoio financeiro ou apoio de entidades governamentais que nos dêem financiamento para pesquisa", diz Maria Elena Bottazzi à BBC World.
"Porque não temos programas sustentáveis e as prioridades mudam de acordo com o que está acontecendo no momento."
Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é bem vindo
Opine, comente, debata ...