27 de set de 2018

VAI SOFRER DUAS VEZES? Segundo mandato para governador do MA – olha o que deu em reeleger Edivaldo Holanda Junior


Se o povo tivesse a noção necessária não reelegeria qualquer governador e seus aliados. 

Por que?

Explico:

É fato que no primeiro mandato o governador ensaia algumas benfeitorias, simula honestidade e seriedade, mais já começa a desviar recursos públicos associado com os deputados que o apoiam. 

Pá-daqui, pá-dali, Pá-de cá, pá-de lá - vai surrupiando um recursinho da Saúde; da Educação; da Infraestrutura - um tiquinho de onde puder meter a mão. Vira manchete no dia a dia.

Ao invés de noticiarmos ações em benefícios da população, noticiamos só atos de corrupção e desvios de recursos públicos. A título de exemplo vejamos o Maranhão. Por aqui, o atual governador colocou a máscara e esbravejou nos quatro cantos que Sarney acabou com o Maranhão; que iria governar sem corrupção e blá, blá, blá ...

Tão logo assumiu, a máscara foi tirada e guardada para a próxima eleição de 2018. A imprensa fez até cronograma da falta de seriedade do comunista.

Cronograma da corrupção no primeiro mandato de Flávio Dino

2015
NA SAÚDE - Começou com um esquema que envolveu R$ 211.549.612,22, conforme Processos - SES: 48.481/2015; 48.481/2015; 197.378/2015; 117.903/2015; 120.491/2015; 127.305/2015; 87.458/2015; 10.2760/2015; 118.097/2015. Alimentaram os mesmos esquemas dos institutos de saúde.  Quando a PF dê uma olhada nesses processos vai ter que ter muitas algemas.

Em seguida, a PF gravou outra corrupção na gestão de Flávio Dino. A Grana envolvida - R$ 98.700,00 e R$ 113.820.000,00. O vice-presidente do PCdoB da cidade de Coroatá, partido do governador Flávio Dino, foi parte do esquema. Na interceptação telefônica da PF um funcionário da Secretaria de Saúde negociou com o Instituto beneficiado com os milhões.

PROPINA NA EDUCAÇÃO - uma subordinada do governador (Simone Limeira) foi acusada de cobrar propina para liberar transporte escolar em aldeias indígenas. A Providência do governador foi apoiar a candidatura de Simone Limeira em Grajaú.

Também em 2015 mais de R$ 4,6 milhões foram gastos em supostas escolas de Marajá do Sena, mas somente em fevereiro de 2018 o município recebeu uma escola de Ensino Médio da rede estadual. Fizeram isso na cidade mais pobre do país, na qual uma família vive com menos R$ 16,50 por dia. O que demonstra do que são capaz.

2016
Antônio Nunes - chefe do Detran, o ex-sócio de Flávio Dino foi acusado de beneficiar com R$ 25 milhões uma empresa criada apenas para este contrato. Depois foi para a Segov.

Rosângela Curado - às vésperas das eleições municipais, a então adjunta da Saúde deixa o cargo em circunstâncias obscuras. Mesmo assim, foi a candidata de Flávio Dino em Imperatriz.

2017
Danilo dos Santos - adjunto na Secretaria de Administração Penitenciária chefiava esquema de desvio de recursos e foi pego pela Polícia Federal. Rosângela Curado - afastada do governo, mas com atuação ainda forte na Saúde, ex-adjunta foi presa por participação em esquema de pagamento a funcionários fantasmas.

Esquema de desvio de mais de R$ 18 milhões feito pelo Instituto e Desenvolvimento e Apoio à Cidadania (IDAC) no sistema de Saúde do Maranhão.