9 de abr de 2018

Defensores dos maiores criminosos do Brasil usam instituto para defendê-los

No final do ano passado, advogados de políticos e empresários investigados fundaram o Instituto de Garantias Penais (IGP). O objetivo dos criminalistas, que defendem, entre outros, Maluf, Eduardo Cunha e os irmãos Batista, é 'lutar pelas garantias constitucionais em um momento tão punitivo', como explicou Antônio Carlos de Almeida Castro, advogado de Maluf. 

Beneficiários da corrupção ao defender aos criminoso graúdos da Lava Jato, O advogado Ticiano Figueiredo, um dos pupilos de Kakay que estão milionários ao cuidarem de casos penais da Lava Jato. Segundo a revista Veja, esses causídicos de porta de cadeia de granfinos cobrariam de R$ 5 milhões a R$ 8 milhões para assumir um caso.

Pela lógica, seus pagamentos também advém da corrupção. Na defesa eles utilizam o Instituto para abafar manifestações contrárias.

Quando o doleiro Alberto Youssef comunicou o interesse em delatar nos tribunais em Brasília, Kakay deixou o caso e justificou: “Primeiro, porque ele iria entregar, como entregou, 50 clientes meus”, diz Kakay ao justificar a saída.

O esquema dos causídicos é o seguinte: Os advogados mais novos incentivam e acompanham os delatores e os advogados mais velhos, como Kakay, cuida das causas dos delatados. Dois tipos de negócio num mesmo esquema.

OS ADVOGADOS QUE LUCRAM COM AS DELAÇÕES

- Fernanda Tórtima - ela quem alinhavou o acordo do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado com a Procuradoria-Geral da República, livrando o cliente do risco iminente de prisão. Também atua no processo que envolve o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

- Pedro Ivo Velloso (cria de Kakay) e Ticiano Figueiredo (cria de Mariz) - Atuam forte em delações.

- Pierpaolo Cruz Bottini - tem oito clientes na Lava-Jato. Ele amarrou a delação do ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton Avancini.

- Rodrigo Mudrovitsch - faz a defesa de dez clientes na Lava-Jato, entre eles os senadores petistas Gleisi Hoffmann (PR), Humberto Costa (PE) e Lindberg Farias (RJ), além do ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi.

- Maíra Salomi, que atua na defesa do ex-ministro Edinho Silva e da Mossack Fonseca.

- Fábio Tofic Simantob - defende o publicitário João Santana.

- Maurício Silva Leite - o ex-senador Dolcídio do Amaral (ex-PT-MS).

- Joyce Roysen - advogada de Adarico Negromonte (acusado de transportar propina, irmão de Mário Negromonte, ex -ministro das Cidades)

- Beatriz Catta Preta é figura dissonante no meio. Ela representou clientes como Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras — agora representado por João Mestieri —, e Júlio Camargo, ligado ao grupo Toyo Setal, atuando em nove dos 15 depoimentos de delação premiada na “lava jato”.

- José Carlos Dias

- Celso Vilardi

OS ADVOGADOS QUE CUIDAM DOS DELATADOS

- o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay - Ele tem 11 clientes da Lava Jato.

- Antônio Cláudio Mariz de Oliveira

- Alberto Zacharias Toron

- José Luís de Oliveira Lima.

- Adriano Bretas.