22 de dez de 2017

Condenada a morte pelos EUA a Coreia do Norte sumirá do mapa mas levará junto a Coreia do Sul e o Japão

Condenada a morte pelos bloqueios econômicos perpetrados pelos EUA, a Coreia do Norte não tem outra saída. Sumirá do mapa, mas levará junto a Coreia do Sul e o Japão.

Ninguém tem mais dúvidas da capacidade bélica da Correia do Norte e do seu ódio pelos EUA, que outrora devastou o pais com armas químicas e biológicas para conquistar o território e estabelecer seu jugo como império no mundo subjugando cada povo como bem lhe a prover.

Manipulando a ONU como seu trampolim de poder, os EUA dar as cartas e impõe sua política nas fracas Nações do Mundo. Os subservientes, como o Brasil assume a condição de escravos dos americanos e já arriou as calças há muito tempo.

A maluca Coreia do Norte tenta resistir e assina sua sentença de país a ser exterminado da face da terra.

A tática é ir matando os norte coreanos aos poucos para depois darem o tiro de misericórdia.

Sabendo que o maluco líder coreano não se dobrará, os EUA matará seu povo aos poucos até o momento em que varrerão a península com suas bombas e armas químicas não deixando nenhum ser vivo.

Sabendo disso o maluco coreano apertará o botão suicida e levará junto a Correia do Sul  e o Japão também com armas nucleares, armas químicas e armas biológicas, que se espalharão no ar dizimando milhões de vidas. 

As mais recentes medidas de destruir economicamente a Correia do Norte apontam para este senário.

AS RECENTES MEDIDAS CONTRA A COREIA DO NORTE

Conselho de segurança da ONU aprovou por unanimidade medidas, incluindo limites mais baixos para as importações de petróleo e uma repressão contra o contrabando, após o lançamento do míssil balístico mais recente


O conselho de segurança da ONU aprovou por unanimidade novas e duras novas sanções contra a Coréia do Norte em resposta ao último lançamento de um míssil balístico que Pyongyang diz ser capaz de chegar a qualquer lugar do continente americano.

As novas sanções aprovadas na resolução do conselho incluem limites extremamente baixos nas importações de petróleo da Coréia do Norte, o regresso a todos os norte-coreanos que trabalham no exterior dentro de 24 meses, e uma repressão ao contrabando de navios proibiu itens, incluindo o carvão e o petróleo de e para o país.

A resolução, redigida pelos Estados Unidos e negociada com a China, provocou críticas da Rússia por pouco tempo, os outros 13 países do conselho tiveram que considerar o texto e as mudanças de última hora no texto. Uma dessas mudanças foi aumentar o prazo para que os trabalhadores da Coréia do Norte voltem para casa de 12 meses para 24 meses.

O embaixador dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse após a votação: "A união que este conselho mostrou ao nivelar essas sanções sem precedentes é um reflexo da indignação internacional nas ações do regime de Kim".

A resolução apaga as importações de petróleo bruto em 4 milhões de barris por ano. As importações de produtos refinados de petróleo, incluindo diesel e querosene, são de 500 mil barris por ano. Isso representa uma proibição de cerca de 90% de produtos refinados, que são fundamentais para a economia da Coréia do Norte, e uma redução dos 2 milhões de barris por ano aprovados pelo Conselho em setembro.

As novas sanções também proíbem a exportação de produtos alimentícios, máquinas, equipamentos elétricos, terra e pedras, madeira e embarcações da Coréia do Norte . E proíbe todos os países exportar equipamentos industriais, máquinas, veículos de transporte e metais industriais para o país.
Propaganda

O embaixador britânico da ONU, Matthew Rycroft, disse que o conselho de segurança estava enviando "um sinal unido muito forte ao regime norte-coreano que é suficiente, que eles devem parar seu programa nuclear e devem parar seu programa de mísseis balísticos intercontinentais".

O embaixador francês da ONU, Francois Delattre, disse: "Acreditamos que a pressão máxima hoje é a nossa melhor alavanca para uma solução política e diplomática amanhã ... (e) nosso melhor antídoto para o risco de guerra".

Essas novas sanções proibiram a Coréia do Norte de importar todos os líquidos de gás natural e condensados. Também proibiu todas as exportações de têxteis e proibiu qualquer país de autorizar novas licenças de trabalho para trabalhadores norte-coreanos - duas fontes-chave de moeda forte para o país do nordeste asiático.

A missão dos EUA disse que um corte nas novas licenças de trabalho acabaria por custar a Coréia do Norte cerca de US $ 500m, uma vez que as permissões de trabalho atuais expiram. Os EUA estimavam que cerca de 93 mil norte-coreanos estão trabalhando no exterior, disse um funcionário dos EUA.

A resolução aprovada na sexta-feira manifesta a preocupação de que os ganhos estrangeiros desses trabalhadores sejam utilizados para apoiar os programas de mísseis nucleares e balísticos do país. Isso exige que todos os países enviem trabalhadores norte-coreanos e monitores de segurança para casa até o final de 2019. 

Fonte: Associated Press at the Nations Nations. 

Sex 22 de dezembro de 17 20.40 GMT

Veja mais... 

COREIA DO NORTE, O 4º MAIOR EXÉRCITO DO MUNDO COM MAIS DE 1.200.000 SOLDADOS