Acessos

sábado, 21 de fevereiro de 2015

PROMOTOR ACUSADO DE VÁRIOS CRIMES ATUA LIVREMENTE NO MARANHÃO.

O promotor de Justiça Zanony Passos Silva Filho, da 31ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, já deveria estar no olho da rua há muito tempo e pagando pelos seus crimes.

Eis a ficha do promotor:

A ação do MP foi promover o promotor para a Capital
1ª ACUSAÇÃO - Zanony Passos já foi punido pelo CNMP - Conselho Nacional do MP com pena de suspensão do exercício do cargo por seis meses cumulada com três meses sem vencimento por ter agredido a tiros proprietário de condomínio onde adquiriu uma casa residencial em São Luís avaliada em mais de R$ 400 mil.

2ª ACUSAÇÃO - O senhor Walber Oliveira do Nascimento, em Escritura Pública de Declaração de Vontade, registrada no Cartório "Alvimar Braúna" em 15/10/2008, acusa o promotor de ter recebido favores pessoais do prefeito de Coroatá tendo sido, ele próprio, contratado pela Prefeitura, a pedido do promotor, para cuidar de seus cavalos em baias construidas no terreno do denunciante pela Prefeitura Municipal.

3ª ACUSAÇÃO - O senhor Daibeth da Silva acusou o promotor perante à PGJ, de ter se apoderado do seu auxílio reclusão no valor de R$ 11.861,00 e de ter atentando contra sua vida.

4ª ACUSAÇÃO - O promotor Zanony Passos provocou uma confusão dentro de uma churrascaria no bairro do Vinhais, tanto que a polícia foi acionada para controlar o promotor, que partiu para cima dos policiais e ele teria sido agredido.

5ª ACUSAÇÃO - Em 2011, policiais militares que faziam ronda pela Avenida Litorânea registraram uma “queixa” contra o promotor de Justiça Zanony Passos Silva Filho. Na ocorrência, de n° 13408, o sargento Júlio César Sousa Pereira, de 49 anos, lotado no 8° Batalhão de Polícia Militar (BPM), no Calhau, disse ter sido afrontado pelo promotor quando trabalhava na Litorânea, próximo ao restaurante Picanha de Ouro.

6ª ACUSAÇÃO - Agora, o promotor é acusado de abafar fraude no DETRAN-MA, arquivando inquérito instaurado para apurar a fraude. O caso Detran teve grande repercussão em 2013, quando o advogado Rafael Silva denunciou o esquema durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Maranhão. Na ocasião, Rafael Silva informou que o dono da empresa L CINTRA é Marcelo de Sousa Cintra, amigo do deputado estadual Roberto Costa, responsável pela nomeação da Direção do Detran/MA durante todo o Governo Roseana Sarney.

Veja a denúncia grave no vídeo abaixo: