segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

RAPOSA SOB O ATAQUE DE RAPINAS DO ERÁRIO.

Se não bastasse o rombo deixado por Talita Laci nos 15 dias que esteve na Direção da Prefeitura de Raposa.

Agora se descobre que o atual Prefeito desvia os recursos do Município de Raposa é sem dó.

Por Domingos Costa 
20141107_125406
No endereço onde deveria existir a gráfica, na Rua Nossa Senhora da Conceição nº 03, Vila Bom Viver, Raposa – MA, só existe um sítio
A maioria dos quase 30 mil habitantes da Cidade e Raposa, Região Metropolitana de São Luís, têm conhecimento que na área territorial do Município que compreende 64,182 km² – menor do Estado – não dispõem de empresa especializada em serviços gráficos. Quem precisa do trabalho do ramo busca na Capital, São Luis.
Por incrível que possa parecer, a prefeitura de Raposa contratou uma gráfica fantasma para prestar serviços ao município. A gráfica de nome fantasia Boureal Comércio e Serviços não existe no endereço informado no próprio município.
Conforme os dados do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), do Ministério da Fazenda, a empresa deveria funcionar na Rua Nossa Senhora da Conceição nº 03, Vila Bom Viver, Raposa – MA. No entanto, o endereço onde deveria existir, na verdade, é um sítio onde funcionava um restaurante de um morador de Raposa que vendeu a propriedade há quase dois anos.
julho de 2013 graficaA gráfica de fachada que também possui o nome empresarial V. do S. Cardoso do Nascimento é vencedora de uma licitação no valor de R$ 1.405.208,00 (um milhão, quatrocentos e cinco mil, duzentos e oito reais ) para fornecimento de serviços gráficos para várias secretarias.
O contrato pelo período de apenas cinco meses, foi assinado no dia 01 de julho de 2013, e prazo de vigência no dia 31 de dezembro de 2014.
A senhora Viviane do Socorro Cardoso do Nascimento, laranja no esquema, assina o contrato juntamente com o Prefeito Clodomir de Oliveira dos Santos.
A estratégia utilizada nesse caso para desviar os recursos públicos, se deu por meio de notas fiscais fictícias ou “frias”, que são aquelas nas quais os serviços declarados não são prestados.
O caso da empresa de fachada, criada para dilapidar o patrimônio público, já foi denunciado ao Ministério Público e na Polícia Federal.
O blog aprofundou a investigação e descobriu o verdadeiro dono da empresa, o responsável por toda a transação ilegal, trata-se do sogro de um prefeito do interior.
Esse caso da empresa gráfica fantasma em Raposa, que deve virar caso de polícia nos próximos dias, é apenas a ponta do iceberg envolvendo uma quadrilha especializada em desvio de recursos públicos.
Os integrantes no conluio liga diretamente cúmplices que fazem parte da administração municipal.
Mas essa é outra história…

EMPRESA RAPOSA