sexta-feira, 7 de novembro de 2014

CNJ VAI REVER DECISÃO DA ABUSADA JUSTIÇA DO RIO.

A Agente continua afirmando que o juiz não é Deus.
O Juiz João Carlos de Souza Corrêa foi flagrado em 2011 em Blitz da Lei Seca no Leblon (zona sul) sem habilitação em um Land Rover sem placa e documento.

Se identificou como juiz, questionou a abordagem e deu voz de prisão à agente de trânsito Luciana Tamburini.

Para este desembargador dizer que um juiz não é Deus é uma grande ofensa.
Num jeitinho jurídico, a justiça do Rio condenou a agente a indenizá-lo em R$ 5.000 por ter dito que ele "era juiz, mas não Deus".

Um processo administrativo disciplinar instaurado contra Souza Corrêa no Tribunal de Justiça do Rio não foi adiante. Está engavetado.

A Corregedoria Nacional de Justiça, divisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), analisará por que o processo administrativo contra o juiz está parado no TJ-RIO.

Uma "vaquinha" online arrecadou dinheiro para pagar a indenização. Até quinta (6), as doações já somavam mais de R$ 14.000.