domingo, 3 de agosto de 2014

Sarney critica “violência insana” da sociedade e esquece de citar a violência da corrupção e da usurpação dos bens públicos, prática da sua oligarquia.

Em artigo Sarney critica “violência insana”. Com propriedade de escritor, ele mostra a decadência da sociedade no quesito violência. Cita o uso das drogas como o meio de destruição da juventude e lembra o recente episódio no Fórum da Capital, onde um prisioneiro vitimou um segurança. e por fim, Sarney diz que o combate desta situação é uma cruzada de todos nós.

Concordo com tudo que disse Sarney, mas ele só esqueceu de citar a corrupção e o uso dos bens públicos por políticos da sua laia que com tais práticas jogam na lama a esperança da população, que não vendo futuro esmorecem-se ao longo do caminho, pois tudo que que vem para beneficiar o povo tem como destino o bolso do corrupto.


No caso do Maranhão, a Oligarquia Sarney conseguia transformar um Estado rico em um Estado que impera a miséria. Famílias vivendo em condições desumanas e se refugiando nas drogas.

Do Palácio do Planalto Sarney saiu com rejeição 60% a 80%. Retirou-se para o Maranhão. Aqui também não foi aceito. Foi se refugiar no Amapá. Lá enrolando aquele povo necessitado, elegeu-se senador. Conhecedor das artimanhas políticas e esquemas, foi eleito quarta vez presidente do Senado. No Senado Sarney foi pego praticando desmandos, irregularidades e desvios de conduta. Por meio dos chamados “atos secretos”, os senadores contratavam parentes, amigos, aumentavam salários e se autoconcediam benefícios. Confira aqui.