27 de ago de 2014

BOMBA!!: Hacker revela como invadiu sistema da Justiça Eleitoral e fraudou eleição, mas o TSE persiste no erro de usar urnas eletrônicas fraudolentas.

Um Hacker de 19 anos revela no Rio como fraudou eleição.

Um novo caminho para fraudar as eleições informatizadas brasileiras foi apresentado em 2012 no seminário “A urna eletrônica é confiável?”, promovido pelos institutos de estudos políticos das seções fluminense do Partido da República (PR), o Instituto Republicano; e do Partido Democrático Trabalhista (PDT), a Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini.

A não impressão do voto do eleitor facilita a fraude.
Um jovem hacker de 19 anos, identificado apenas como Rangel, mostrou como — através de acesso ilegal e privilegiado à intranet da Justiça Eleitoral no Rio de Janeiro, sob a responsabilidade técnica da empresa Oi – interceptou os dados alimentadores do sistema de totalização e, após o retardo do envio desses dados aos computadores da Justiça Eleitoral, modificou resultados beneficiando candidatos em detrimento de outros – sem nada ser oficialmente detectado.

“A gente entra na rede da Justiça Eleitoral quando os resultados estão sendo transmitidos para a totalização e depois que 50% dos dados já foram transmitidos, atuamos. Modificamos resultados mesmo quando a totalização está prestes a ser fechada”, explicou Rangel, ao detalhar em linhas gerais como atuava para fraudar resultados.

A Dra. Maria Aparecida Cortiz, por sua vez, relatou as dificuldades para fiscalizar o processo eleitoral por conta das barreiras criadas pela própria Justiça Eleitoral; citando, em seguida, casos concretos de fraudes ocorridas em diversas partes do país – todos abafados pela Justiça Eleitoral. Detalhou fatos ocorridos em Londrina (PR), em Guadalupe (PI), na Bahia e no Maranhão, entre outros.

Parece que o TSE absorveu a cultura de fraude eleitoral, pois resiste em adotar urna eletrônica segura como é o caso das urnas argentinas. Confira.



Como se deu a fraude nas eleições 2010 que beneficiou a candidatura de Roseana Sarney. (veja).