sábado, 5 de abril de 2014

CORONEL DENUNCIA A FORMA SORRATEIRA DE SUA PRISÃO E O DESMANDO NO GOVERNO DO MARANHÃO.

Eis o relato do Coronel abaixo-assinado.

Depois de uma longa batalha travada com o Governo do Estado em busca de melhores condições de trabalho e salariais para os militares do nosso Estado, este é o momento de agradecimento do apoio recebido. Mas antes, me permitam apontar alguns fatos.

1. Por mais que esteja escrito na Constituição da República Federativa do Brasil, que vivemos num Estado Democrático de Direito, ainda temos governantes que ignoram o regime e tentam emplacar, ou melhor, resgatar o famigerado REGIME DITATORIAL, impondo o monopólio da força (ilegal) do Estado contra aqueles que lutam em defesa dos menos favorecidos.

2. Todas as vezes que me manifestei fiz de forma clara, concisa, sobre fatos e aplicando os instrumentos democráticos disponibilizados pela nossa Constituição a todos os brasileiros. 

Mesmo usando dos direitos e garantias constitucionais em defesa de uma boa causa - a dignidade de todos - sofri as mais nefastas consequências impostas pelo Governo do Estado.

CORONEL PM FRANCISCO MELO
3. Na última terça feira, dia 01/04/2014, a Polícia Militar do Maranhão, cumprindo ordem da senhora Governadora Roseana Sarney, montou uma verdadeira operação de guerra para me prender. Foram acionados três coronéis, um capitão e um sargento e de forma sorrateira me abordaram e me prenderam, satisfazendo, dessa forma, o desejo da Governadora Roseana Sarney, por não ser complacente com os desmandos do seu governo.

4. Foi um ato de vingança, arbitrário, ilegal, abusivo. Além disso, trata-se, também, de um ATO ATENTATÓRIO CONTRA A DEMOCRACIA BRASILEIRA. 

Vejam e revejam em meus pronunciamentos escritos e orais que não cometi nenhuma transgressão disciplinar (faltas ou desvios de condutas praticados por militares) ou um crime qualquer. Mesmo assim me prenderam disciplinarmente, sem que eu tivesse tido o direito de me defender, por meio do instrumento do DEVIDO PROCESSO LEGAL, uma garantia constitucional assegurada a todos os brasileiros, até mesmo àqueles criminosos reincidentes.
 
5. Mas nem com isso me intimidei. Com toda violência e o constrangimento sofrido, continuo de cabeça erguida, não me diminuiu em nada, pois acredito que os motivos são justos, dignos, legítimos e legais em continuar lutando pelo bem comum de todos, como sendo a liberdade, tranquilidade, justiça, segurança, harmonia, igualdade, oportunidade. Teria ficado envergonhado se tivesse sido preso por corrupção, pela prática de ato de improbidade ou por fazer parte de uma quadrilha ou bando.

6. Por mais que queiram esconder, no Maranhão ainda vivenciamos com algumas práticas abomináveis. Como vimos, o Estado do Maranhão viveu 10 dias de paralisação dos militares do Estado, fato não divulgado na mídia nacional. Já no vizinho Estado do Pará a paralisação da PM foi notícia no jornal hoje, dia 05 de abril de 2014.

7. Agradecemos a Deus, nosso pai criador, por ter nos guiado, proporcionado o devido ensinamento e nos livrado de danos maiores. Agradeço, também, todas as manifestações escritas e orais, as orações, bem como aqueles que não quiseram ou não puderam se manifestar, mas ficaram torcendo para que tivéssemos um final feliz. Somos gratos por tudo. Pois a coragem venceu o medo.

8. Finalmente, acredito que vale a pena lembrar o que disse Joaquim José da Silva Xavier. “Se todos quisermos, podemos fazer do Brasil uma grande nação”.

AVANTE! AVANTE! E A LUTA CONTINUA.

CORONEL PM FRANCISCO MELO