segunda-feira, 25 de março de 2013

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Paço do Lumiar (SEMDES-PMPL) realizou nesta sexta-feira (22), o encontro com mulheres luminenses, em comemoração ao “Mês da Mulher”, O evento abordou o tema “Tráfico Humano e suas consequências na atual realidade”.




A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Paço do Lumiar (SEMDES-PMPL) realizou nesta sexta-feira (22), o encontro com mulheres luminenses, em comemoração ao “Mês da Mulher”, O evento abordou o tema “Tráfico Humano e suas consequências na atual realidade”, e foi amplamente discutido pela preletora, Rosiane Rocha, militante dos direitos da mulher no Estado e pela secretaria de Desenvolvimento Social, Ivone Oliveira, no Convento das Irmãs da Purificação, no Maiobão.
 O Encontro contou com a participação de centenas de mulheres das comunidades de Paço do Lumiar, do Prefeito Josemar Sobreiro, secretários municipais,   Associação de Mulheres, Conselhos Municipais e Conselho Tutelar. O evento teve o apoio das Secretarias Municipais de Saúde Cultura, Produção, Pesca e Abastecimento e Secretaria Estadual da Mulher. 
A secretária de Desenvolvimento Social, Ivone Oliveira contou que o tema foi proposto com a intenção de sensibilizar as pessoas sobre os problemas causados na vida das pessoas que sofrem com o trafico, e alertar a sociedade para o tema evidente, que tem vitimado muitas famílias. “Hoje estamos fazendo essa parada para que possamos avaliar esse problema que é real, e não podemos nos eximir enquanto poder público e ajudar as demais instituições no combate a esse crime”, enfatizou.
Segundo a palestrante Rosiani Rocha, no Brasil, o tráfico de seres humanos, em especial de mulheres é uma das modalidades do tráfico de pessoas mais praticadas no mundo contemporâneo, e em sua essência se presta à escravidão sexual e à venda da mulher como objeto sexual, muitas vezes contra a sua vontade “Esse crime acontece muitas vezes pela falta de informação. Os traficantes são criteriosos na abordagem de suas vitimas, que na maioria das vezes são de famílias humildes, em situação de pobreza, e assim, se aproveitam da fragilidade para oferecer emprego e possibilidade de ganho de dinheiro fácil”, explicou a militante.
De acordo com o artigo 231 do Código Penal, o enquadramento para quem promove ou facilita no território nacional, o recrutamento, transporte a transferência, o alojamento ou acolhimento da pessoa quer venha a exercer a prostituição é  o tráfico de pessoas é de 3 a 8 anos de prisão  e multa
Para dona Francisca dos Anjos, de 62 anos, o tema é de muita importância, pois retrata situações do cotidiano, e não só de novela. “A gente vê muitas meninas serem iludidas com propostas de emprego fora do estado, promessas de ganhar muito dinheiro, mas quando chega no local, a situação é outra”, disse.